quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Cabofolia 2013 - uma experiência para nunca ser esquecida


Depois de um tempinho fora, hora de publicar novamente...hehehe

Pois é, CaboFolia, eu fui. Como digo no título da postagem, uma experiência para nunca ser esquecida, tanto pelos pontos positivos como, e principalmente, pelos pontos negativos que devem servir de lição. Então, vamos lá:

A ida a Cabo Frio:
Esta parte foi até tranquila, tirando o trânsito sempre lento quando se passa pelo centro de Rio das Ostras. Fiz e não fiz a coisa certa em sair bem cedo de casa. Explico isso no próximo item.

A chegada ao local do evento e o funcionamento da bilheteria:
Aí começaram os aborrecimentos. Comprei os ingressos pelo site "Ingresso Rápido"  www.ingressorapido.com.br, onde dizia que a bilheteria abriria às 22 horas para retirada dos ingressos e dos abadás e que pedia também que chegássemos com 1 hora de antecedência para evitarmos transtornos. Porém, os transtornos começaram justamente porque fizemos o recomendado pelo site. 

Chegamos às 19 horas e encontramos a bilheteria como? Fechada! Não tinha nenhum cartaz dando qualquer informação útil, além do preço dos ingressos/abadás para quem fosse comprar na hora. Os funcionários que estavam no local pareciam que estavam trabalhando a 3 dias sem dormir de tão chapados que estavam, não diziam coisa com coisa. Por volta das 20 horas é que começou a aparecer gente na bilheteria e uma funcionária, muito da mau-humorada, foi que enfim informou que a bilheteria só iria abrir às 22 horas. Quer dizer, não adiantou nada chegar cedo para evitar transtornos, pois só tive aborrecimentos até então.

Quando enfim deu 22 horas outro aborrecimento, os responsáveis do site Ingresso Rápido que fariam a entrega dos ingressos ainda não tinham chegado e só foram começar a atender por volta das 22:30. Quer dizer "rápido" só no nome do site mesmo.

A entrada no camarote:
Ingressos retirados, abadás na mão, fomos finalmente para a entrada. O que aconteceu? Os portões fechados. Por volta das 23:30 foi que enfim conseguimos subir para os camarotes. Chegando lá outra desilusão, as cadeiras não eram numeradas como dizia nos ingressos, eram no "quem chegar primeiro leva", então, nós que subimos sem pressa, ficamos em pé. Paciência.

Do camarote em si não tenho do que reclamar. Foi servido de tudo que foi informado no site, o espaço era amplo e a visão dos trios elétricos era muito boa. O problema foi chegar até ele.

Os shows:
No domingo, o dia em que fui, se apresentaram Cláudia Leitte e Naldo. A Cláudia Leitte, que já não emplaca um sucesso há tempos, cantou as músicas de sempre, misturando com as da época do Babado Novo e de outros artistas. Deu 2 voltas em torno dos camarotes e vazou. O Naldo, coitado, só tem repertório para meia hora de show. Pra dar uma volta pelos camarotes teve que enrolar com músicas de outros artistas também. Depois que ele passou pela minha frente, vazei.

Conclusão:
Tem que gostar MUUUUITO de micareta para encarar uma maratona dessas. Pelo preço que paguei não fiquei nada satisfeito com a falta de organização do evento, deixou muito a desejar. Valeu como experiência mas dificilmente voltarei lá.

Um abraço a todos que visitarem.  :D

2 comentários:

Jo Valdez disse...

Da próxima vez invista um pouco mais e vá na Bahia... rs Geral indo para o Carnaporto...

Crônica Mal.dita disse...

Eu já fui a Porto Seguro e a experiência foi até pior.

Postar um comentário

Quem sou eu

Minha foto
Apenas um blog com textos de um cara que se acha cronista e pensa que, no meio de seus devaneios, escreve alguma coisa que preste...hehe

...

Espaço destinado a publicar crônicas sobre fatos cotidianos mas, claro, com uma pitada de humor ácido. Nada de resenhas convencionais porque crítica maneira é aquela cujo veneno escorre pelo canto da boca.

Seguidores

Perfil do autor no Facebook

Visitas